Praça da Ribeira, no Porto | Foto: João Ferrand
Praça da Ribeira, no Porto | Foto: João Ferrand

Escolhido o destino europeu de 2017, o Porto tem atrativos suficientes para preencher muitos dias de viagem. Mas, mesmo quem só tem 48 horas na cidade, ainda consegue conhecer os principais pontos turísticos e ter uma bela amostra do que o Norte de Portugal tem a oferecer.

Este é um roteiro para explorar o melhor da cidade Invicta em dois dias, com intervalos para aproveitar a paisagem e o melhor da gastronomia da cidade.

Manhã (9h às 13h): Baixa
Estação de São Bento

Estação de São Bento tem 20 mil azulejos |Foto: Giuliana Miranda
Estação de São Bento tem 20 mil azulejos |Foto: Giuliana Miranda

Ponto de partida do roteiro, a estação de São Bento é também porta de entrada para quem chega ao Porto de trem (ou comboio, em português de Portugal). O local já é, por si só, uma atração e tanto.

Construída no início do século 20, a estação é famosa pelos 20 mil azulejos que ornamentam seu átrio principal. Pintados pelo artista português Jorge Colaço, os quadradinhos de cerâmica retratam diversos pontos importantes da história de Portugal e também da evolução dos transportes no país.

Praça da Liberdade

Estátua de D. Pedro 4º de Portugal (o nosso Pedro 1º do Brasil) | Foto: Giuliana Miranda
Estátua de D. Pedro 4º de Portugal (o nosso Pedro 1º do Brasil) | Foto: Giuliana Miranda

Considerada o coração político da cidade, a praça foi durante séculos o local preferido de reunião de intelectuais e políticos.

Seu destaque é uma escultura de bronze de D. Pedro 1º (que em Portugal é conhecido como D. Pedro 4º), uma homenagem ao monarca que restaurou a constituição portuguesa após a revolta de Dom Miguel.

Antes de explorar a av. Dos Aliados, siga em frente.

Torre dos Clérigos

Torre dos Clérigos é um dos símbolos do Porto | Foto: Giuliana Miranda
Torre dos Clérigos é um dos símbolos do Porto | Foto: Giuliana Miranda

Um dos principais cartões-postais do Porto, a torre de estilo barroco foi projetada pelo arquiteto italiano Nicolau Nasoni e inaugurada em 1763. Quem vence os 225 degraus que levam até o topo é brindado com um visual espetacular.

A mais de 75 metros de altura, é possível ter uma perspectiva em 360º da cidade.

A entrada custa 4€ e há opções de ingressos combinados com outras atrações. Veja aqui as informações da bilheteria.

Av. dos Aliados

A impressionante arquitetura da av. dos Aliados | Foto: WikiCommons
A impressionante arquitetura da av. dos Aliados | Foto: WikiCommons

O conjunto arquitetônico desta parte da cidade merece parar para ser admirado. Como você já explorou a praça, suba a rua. Com vários edifícios de granito e detalhes elaborados, a via é conhecida como a “sala de visitas” da cidade. É nesta avenida que os moradores se reúnem para celebrar momentos importantes.

No topo da avenida fica o imponente prédio da Câmara Municipal (o equivalente à prefeitura)

Rua de Santa Catarina

Uma das artérias da cidade, a rua de Santa Catarina é o lugar perfeito para ver a movimentação de turistas e moradores. A via se destaca pela profusão de lojas.

Café Majestic

Café Majestic, na rua de Santa Catarina, é um dos mais elegantes do Porto | Foto: Giuliana Miranda
Café Majestic, na rua de Santa Catarina, é um dos mais elegantes do Porto | Foto: Giuliana Miranda

A essa altura, você já deve estar cansado e com vontade de tomar um cafezinho. Aproveite para fazer uma pausa no imponente Café Majestic, também na rua de Santa Catarina.

O edifício centenário em estilo art nouveau abriga um dos cafés mais tradicionais do país, que durante muitos anos foi ponto de encontro a alta sociedade. Além da louça impecável, vale prestar atenção ao pianista que se apresenta ao vivo no espaço.

Para quem gosta de doces, vale experimentar a rabanada.

Capela das Almas

Capela das Almas tem fachada de azulejos que contam a história de Santa Clara e São Francisco | Foto: Giuliana MirandaCapela das Almas tem fachada de azulejos que contam a história de Santa Clara e São Francisco | Foto: Giuliana Miranda
Capela das Almas tem fachada de azulejos que contam a história de Santa Clara e São Francisco | Foto: Giuliana Miranda

Também conhecida como capela de Santa Catarina, esta pequena igreja foi construída no século 18, mas só ganhou sua famosa fachada de azulejos em 1929. Os painéis contam a história de vida de São Francisco e de Santa Catarina.

Vale também visitar o interior da capela, onde está exposta a imagem de Nossa Senhora das Almas, também do século 18.

Francesinha

Francesinha do Café Santiago, uma das mais famosas do Porto | Foto: Giuliana Miranda
Francesinha do Café Santiago, uma das mais famosas do Porto | Foto: Giuliana Miranda

Para finalizar a manhã, a dica não é um lugar, mas sim um prato típico: a francesinha. Essa deliciosa bomba calórica é um dos símbolos da gastronomia da cidade e consiste, basicamente, em uma espécie de sanduíche com vários tipos de carne (linguiça, salsicha fresca, presunto [chamado de fiambre em Portugal], carnes frias e bife bovino ou lombo de porco fatiado) coberto com queijo derretido e molho a base de tomate.

Vários restaurantes servem o prato. Na região da Baixa, eu recomendo a do Café Santiago.

A generosa porção, acompanhada de batatas fritas, pode ser dividida (cobram taxa de 1€), e ainda alimenta duas pessoas sem tanta fome.

Tarde (14h às 18h): Ribeira
Ribeira: lado do Porto

Ribeira do Porto | Foto: Giuliana Miranda
Ribeira do Porto | Foto: Giuliana Miranda

Um dos pontos mais tradicionais da cidade, a área à margem do rio Douro é perfeita para caminhar sem pressa, aproveitando a bela paisagem e vendo o movimento dos visitantes.

Dica: evite almoçar nos cafés em frente ao rio. A maioria tem comida cara e sem grande expressão.

Quem gosta de história e tem mais tempo livre pode aproveitar para visitar o Palácio da Bolsa, uma suntuosa construção neoclássica de 1862, cujos salões fizeram parte dos principais eventos da elite do Porto no século passado. O salão árabe, com decoração mourisca, costuma receber apresentações de música clássica, conferindo uma aura ainda mais mística ao local.

Cruzeiro no Douro

Barcos rabelo fazem cruzeiros no Douro | Foto: Giuliana Miranda
Barcos rabelo fazem cruzeiros no Douro | Foto: Giuliana Miranda

O rio Douro é um dos maiores símbolos do Norte de Portugal e teve grande importância econômica na história do país, sendo a rota de escoamento do vinho do Porto.

Há diversas opções de passeios nas águas do rio. O chamado cruzeiro das 6 pontes, oferecido por várias empresas, tem uma boa relação custo benefício. Em cerca de uma hora, a embarcação —um barco rabelo, que era o usado para transportar os barris de vinho do Porto— percorre as principais pontes e dá uma bela noção da paisagem da cidade.

O preço varia entre 12€ e 15€ e dá direito a um cálice de vinho do Porto. Para garantir o melhor lugar no barco (nas pontas), vale chegar cedo. No inverno, os horários de saída podem ser reduzidos.

Ponte Luís I

Ponte D. Luís foi projetada por discípulo do arquiteto da torre Eiffel | Foto: Município do Porto
Ponte D. Luís foi projetada por discípulo do arquiteto da torre Eiffel | Foto: Município do Porto

Também conhecida como ponte D. Luís, ela é assinada por pelo engenheiro Teófilo Seyrig, discípulo de Gustav Eiffel. Leva-se menos de cinco minutos para cruzá-la a pé e, lá de cima, tem-se uma vista de tirar o fôlego.

Caves do vinho do Porto

Visita à cave da Sandeman | Foto: Giuliana Miranda
Visita à cave da Sandeman | Foto: Giuliana Miranda

Do lado de Vila Nova de Gaia, em frente ao rio, estão as famosas caves do vinho do Porto, onde a bebida ficava (e em muitos casos ainda fica) armazenada em barris. O passeio inclui visitar o complexo e, no final, dá direito a degustar a bebida.

Várias marcas oferecem o serviço, com visitas guiadas em português e outros idiomas. O passeio costuma custar cerca de 10€ por pessoa.

Noite

Rua Galeria de Paris, que concentra vários barzinhos | Foto: Município do Porto
Rua Galeria de Paris, que concentra vários barzinhos | Foto: Município do Porto

A vida noturna no Porto é animada e as baladas costumam esquentar mesmo lá pela 1h da manhã, como no resto do país. Pode-se começar com um drinque em um dos muitos barzinhos espalhados pelas ruas Galeria de Paris e pela paralela rua Cândido dos Reis.

Há ainda uma profusão de casas noturnas dedicadas a ritmos musicais tão distintos quanto reaggea e house até kizomba.

Dia 2 – Manhã (9h às 13h): Sé e Foz
Sé catedral

Sé Catedral, igreja-fortaleza da Idade Média | Foto: Associação de Turismo do Porto e Norte, AR
Sé Catedral, igreja-fortaleza da Idade Média | Foto: Associação de Turismo do Porto e Norte, AR

O passeio começa na histórica Sé catedral do Porto, que tem a aparência de fortaleza de muitos dos templos católicos da Idade Média.

O edifício de estrutura romano-gótica foi construído entre os séculos 12 e 13 e sofreu grandes remodelações entre os séculos 17 e 18. Além da arquitetura, vale apreciar os vitrais e as belas obras de arte.

Passeio de bondinho (eléctrico)

Eléctrico, o bondinho do Porto | Foto: Giuliana Miranda
Eléctrico, o bondinho do Porto | Foto: Giuliana Miranda

Os bondinhos (ou eléctricos, em português de Portugal) começaram a circular em 1872 e hoje há três linhas que circulam pela cidade.

A linha 1, também conhecida como linha da marginal, tem um trajeto simplesmente deslumbrante à beira do rio Douro.

O bilhete custa 3€.

Jardim do Passeio Alegre

Jardim do Passeio Alegre | Foto: Marisa Pinheiro/Visit Porto
Jardim do Passeio Alegre | Foto: Marisa Pinheiro/Visit Porto

Ponto final da linha 1 do eléctrico, este charmoso jardim foi construído no fim do século 19, com a participação do francês Emíle David. O locar é perfeito para um passeio sem pressa, ou mesmo um pique-nique nos dias ensolarados.

Há vários pontos de interesse no espaço, com destaque para a Quinta da Prelada, um chalet construído em 1874. Andes de ir embora, condira o prédio dos banheiros públicos: construído em 1910, eles são finamente decorados com azulejos Art Nouveau e acabamentos ingleses.

Tarde (14h às 18h): Beira-mar e Parque da Cidade
Caminhada à beira-mar

Região da Foz, à beira-mar | Foto: WikiCommons
Região da Foz, à beira-mar | Foto: WikiCommons

Espécie de calçadão do Porto, a avenida do Brasil fica estrategicamente posicionada margeando o oceano Atlântico, passando por várias praias.

O percurso é bastante agradável e há muitas opções de bares e restaurantes para aproveitar entre uma caminhada e outra.

Parque da Cidade

Parque da Cidade é o maior parque urbano de Portugal | Foto: Divulgação
Parque da Cidade é o maior parque urbano de Portugal | Foto: Divulgação

Hora de conhecer o maior parque urbano de Portugal. Com 83 hectares —um pouquinho mais do que a metade do tamanho do Ibirapuera, em São Paulo—, o complexo foi projetado pelo arquiteto Sidónio Pardal.

Há muita coisa para fazer e é uma ótima opção para gastar a energia das crianças.

Noite

Quem ainda tiver pique, pode aproveitar para conhecer a vibrante cena cultural do Porto.

Casa da Música tem programação cultural intensa | Foto: Visit Porto
Casa da Música tem programação cultural intensa | Foto: Visit Porto

A Casa da Música costuma reunir opções interessantes. Inaugurado em 2005, o edifício este moderno edifício, obra do arquiteto holandês Rem Koolhaas, é um dos símbolos da nova vida da cidade. Além de apresentações de corais e da Orquestra Sinfônica da Cidade, a casa promove sempre workshops e outras atividades. O prédio tem vários bares e um restaurante com uma vista deslumbrante em seu terraço.

O Coliseu do Porto tem na agenda shows de artistas conhecidos e, não raro, há apresentações de artistas também conhecidos no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here